Análise: Corinthians 2×1 Racing-URU

Elias comemora com Ronaldo e Souza a virada corintiana e seu segundo gol (Crédito: Daniel Augusto Jr. / Ag. Corinthians)

Com muita expectativa, o Corinthians estreou na noite desta quarta-feira na Taça Libertadores da América. No Pacaembu quase lotado, venceu, com dificuldade, o Racing, do Uruguai, por 2 a 1 – de virada. Ok, esta é a notícia, agora vamos à análise do jogo.

Assim como em qualquer estreia, já era esperado que seria uma partida complicada. Porém, devido ao desconhecimento do adversário e sua pouca fama internacional, muitos acreditavam em uma goleada. O que se viu no Pacaembu, no entanto, foi um jogo duro, amarrado e com muita marcação.

Por sinal, o maior defeito corintiano foi a marcação. Levar um gol com apenas um minuto de jogo acontece, por mais que ninguém queira – e nesse caso foi uma falha isolada do sistema defensivo. O que não pode é não conseguir marcar um time como o Racing.

Por mais esforçado e bem armado taticamente, o time uruguaio é limitado tecnicamente e, no Pacaembu, apelou basicamente para chutões e jogadas em bola parada. No entanto, os uruguaios dominaram o meio campo pela ausência de marcação dos corintianos. Somente com Ralf, realmente marcador, o Corinthians não conseguia recuperar os rebotes das jogadas e, em alguns momentos, se viu pressionado pelo adversário, exatamente por ter perdido a marcação.

Com a bola no chão e um jogador a mais (o que só aconteceu porque o árbitro não viu o que todo mundo viu: Roberto Carlos deveria ter sido expulso), o Corinthians conseguiu se impor e virou o jogo. Elias foi o grande nome, após duas jogadas bem ensaiadas, onde Ronaldo sai da área para chamar os defensores, outro atacante ou meia faz o pivô e o volante chega em velocidade.

Por ser uma estreia, não foi um desastre como muitos da imprensa querem alardear – e o Racing não é um lixo. Ainda há muito para melhorar, é bem verdade, mas foi apenas o começo.

Tags: , , , , , ,

4 Respostas to “Análise: Corinthians 2×1 Racing-URU”

  1. Raphael Pinheiro Says:

    O time parecia nervoso demais, achei. E isso é uma constante do Corinthians em Libertadores. Será que não está na hora dos times pararem de acreditar em todas as lendas do torneio e jogar com mais confiança e serenidade?

    • gustavohofman Says:

      Desta vez não acho que o time estava nervoso. Claro que, em alguns momentos, a catimba do Racing incomodou, mas de modo geral, isso não foi o grande problema – que, ao meu ver, estava nas falhas de marcação do time. Confiança é fundamental para qualquer time vencedor.

  2. rafa Says:

    po, achei o amarelo de bom tamanho pro robby carlos

    • gustavohofman Says:

      Amarelo ou vermelho, o que importa nesse lance é: a imprudência e a irresponsabilidade sem sentido de um jogador experiente como o Roberto Carlos ao cometer uma falta desnecessária como essa, correndo o risco de ser expulso.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: